Universidade do Algarve realizou estudo sobre a qualidade de vida e bem-estar das crianças no concelho de Albufeira

24/01/2017

Universidade do Algarve realizou estudo sobre a qualidade de vida e bem-estar das crianças no concelho de Albufeira

Uma equipa de investigadoras da Universidade do Algarve, em colaboração com a Câmara Municipal de Albufeira, elaborou um estudo sobre a qualidade de vida e o bem-estar das crianças em idade pré-escolar e escolar, que permitiu concluir que, de um modo geral, as crianças deste concelho apresentam bons níveis de vigilância de saúde, excelente taxa de vacinação e boa frequência de consultas de saúde infantil.

Os pais também referem níveis razoáveis de apoio social e práticas educativas com elevado nível de “afeto e carinho”. Existem, contudo, grupos mais vulneráveis com indicadores menos positivos nomeadamente as famílias mais pobres, os imigrantes, e ainda as famílias monoparentais, pais solteiros, separados ou divorciados.

Apesar de ter sido encontrado um cenário favorável ao desenvolvimento saudável das crianças do concelho de Albufeira, continua a ser necessário fomentar uma alimentação adequada para eliminar os erros alimentares que ainda persistem e promover uma vida equilibrada entre horas de sono e repouso, escola, lazer e atividade física, já que se verificou que há bastantes crianças com deficit de horas de sono e repouso e com pouca atividade física.

Este estudo, coordenado pelas professoras Cristina Nunes, Filomena Matos e Emília Costa, concluiu ainda que se deveria diminuir o número de horas das crianças na escola, já que a estadia prolongada pode perturbar o estreitamento de laços afetivos dentro da família, assim como a exposição das crianças à TV e dispositivos eletrónicos.

Outras das recomendações deste trabalho é fomentar a parentalidade positiva e o apoio social informal das famílias, indo ao encontro das recomendações 12 a 19 do Conselho da Europa, capacitando as famílias para serem capazes de tornar as suas crianças cada vez mais felizes, reduzindo o stresse parental.

Com este trabalho é agora possível ter um conhecimento mais aprofundado sobre os fatores de risco e de proteção para o bem-estar infantil e contribuir para aumentar a eficácia das intervenções que se ajustarão melhor às características e necessidades das crianças e famílias, desenvolvendo adequadas políticas sociais de apoio às famílias.

Participaram neste estudo 480 pais e mães de crianças que frequentam o ensino pré-escolar e o 1º ciclo, no concelho de Albufeira.